Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

25.03.2012 - 09:45 - Fonte: Hoje em Dia

Estudantes de Turismo simulam sexo oral em trote

Durante o trote, estudantes foram amarradas em postes e alunos mais antigos do curso se vestiram de policiais, colocaram uma camisinha em cassetetes e obrigaram os recém-chegados a simularem sexo oral no objeto. Quem passava pelo local não sabia como reagir.

 

Uma brincadeira para comemorar a chegada de novos alunos do curso de Turismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) dividiu opiniões entre estudantes e funcionários da instituição, na manhã de quinta-feira (22/03), no campus Pampulha.

 



Durante o trote, estudantes foram amarradas em postes e alunos mais antigos do curso se vestiram de policiais, colocaram uma camisinha em cassetetes e obrigaram os recém-chegados a simularem sexo oral no objeto. Quem passava pelo local não sabia como reagir.

 



A estudante do curso de Turismo Juliana Silveira da Costa, que participou da brincadeira, afirmou que ninguém foi obrigado a participar.

 

“Ficou quem quis. A gente não pode mandar nas pessoas aqui, até porque depois podemos ser processados. Já fizeram comigo quando entrei e não vi problema nisso”. Além de serem amarrados, os estudantes também foram sujos com tinta, barro e farinha.

 



O estudante de Engenharia Mecatrônica, Iago Mazochi, passava pelo local e ficou impressionado com a confusão. “Achei muito estranho amarrarem as pessoas nos postes e obrigarem a chupar um cassetete. Mas cada curso tem a sua tradição”.

 



Profissionais da UFMG foram os responsáveis por denunciar à Diretoria de Assuntos Estudantis (DAE) os abusos dos estudantes de Turismo.

 

Segundo o DAE, se o aluno se sentir lesado, ele pode procurar a diretoria para denunciar, assim uma investigação vai ser aberta para apurar os fatos. A universidade informou que trotes são proibidos dentro do campus há cerca de 15 anos.

 



Tânia Maria Dussin e Luís Guilherme Knauer, membros da diretoria do IGC, estiveram no local e constaram que não houve nenhum tipo de violência e que se tratou apenar de brincadeira.