Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Polícia

25.03.2012 - 10:18 - Fonte: Diário de Teofilo Otoni

Tio que matou sobrinha morre após espancamento na cadeia

O lavrador Adriano Pereira Ramos, 22, morreu na quinta-feira (22/03), no hospital Santa Rosália, em Teófilo Otoni (MG) onde estava internado para se recuperar de lesões causadas por espancamentos praticados por colegas de cela. Ele confessou ter matado a sobrinha de 1 ano e 2 meses

Foto: Francisco Couy Tio que matou sobrinha morre após espancamento na cadeia
O lavrador matou a sobrinha de 1 ano e 2 meses

O lavrador Adriano Pereira Ramos, 22, morreu na quinta-feira (22/03), no hospital Santa Rosália, em Teófilo Otoni (MG), Vale do Mucuri onde estava internado para se recuperar de lesões causadas por espancamentos praticados por colegas de cela.

 

O corpo foi removido para o Instituto Médico Legal (IML).

 

Segundo o auxiliar de necropsia, Francisco Couy Rodrigues, a vítima sofreu traumatismo craniano. “Durante nossa perícia constatamos vários hematomas no corpo e fratura de costela. Mas, o que o levou à morte foram as lesões na cabeça.

 

O preso chegou em coma hospital e não resistiu aos ferimentos”, explicou.

 

Adriano confessou ter matado a sobrinha de um ano e dois meses e atirado na mãe da criança, sua irmã, que escapou com vida porque se fingiu de morta.

 

O crime aconteceu na zona rural de Ladainha, na semana passada.

 

A Polícia Civil informou que o laudo médico será anexado ao inquérito policial que envolve a morte da sobrinha de Adriano.

 

O rapaz estava detido na Cadeia Pública de Teófilo Otoni há uma semana. Sua estadia na unidade prisional será investigada.

 

A Polícia Civil pretende apurar a culpabilidade dos presos que o agrediram.

 

 Adriano agrediu a pauladas a sobrinha, depois de atirar contra a mãe da criança, Vanice Pereira Ramos, sua irmã.

 

Os irmãos se desentendiam a algum tempo, mas a motivação que levou o autor ao acesso de fúria foi por causa de um cachorro.

 

Vanice teria espantado o cão da casa onde ambos moravam após o animal tomar uma bolacha das mãos da filha.

 

Adriano e Vanice discutiram dias depois.

 

Ela ameaçou contar à polícia que ele cultivava quatro pés de maconha na propriedade, momento em que o mesmo disparou contra a irmã.

 

O tiro de espingarda também atingiu a criança, o que motivou sua morte.

 

Mesmo assim, ele atacou o bebê a pauladas. Vanice escapou porque se fingiu de morta. Adriano fugiu, mas a polícia o localizou horas depois, quando saia de uma mata próximo à residência para beber água. Detido e interrogado, acabou confessando o crime. (Foto: Francisco Couy Rodrigues- IML)