Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Política

25/03/2012 - 11:11 - Fonte: O Tempo

Proposta da Justiça Eleitoral pode dobrar custo de campanha

A proposta do ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Arnaldo Versiani para permitir que cidades com mais de 20 mil eleitores tenham programa eleitoral gratuito na televisão poderá dobrar o custo das campanhas eleitorais nestes municípios, segundo políticos e especialistas em marketing.

A proposta do ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Arnaldo Versiani para permitir que cidades com mais de 20 mil eleitores tenham programa eleitoral gratuito na televisão poderá dobrar o custo das campanhas eleitorais nestes municípios, segundo políticos e especialistas em marketing.

 

Mesmo para as cidades que já fazem a eleição em dois turnos, mas ainda não usam a TV na campanha, as despesas são grandes.

 

Apesar do horário ser cedido pelas emissoras por determinação da Justiça Eleitoral, os gastos com locação de estúdios e contratação de pessoal são altos e ficam por conta dos candidatos. O valor depende da qualidade do produto que será exibido para o eleitor.

 

A dificuldade financeira pode criar dois tipos de situação: a desistência do município de usar o tempo de propaganda de TV e o impasse entre candidatos e partidos de uma mesma cidade sobre usar ou não o horário gratuito.


De acordo com a proposta do ministro Versiani, a Justiça vai tratar de viabilizar os programas eleitorais na TV para os municípios de mais de 20 mil eleitores a partir de um acordo entre os partidos e as emissoras, tendo como referências o número de eleitores e a audiência.

 

Assim, tomando como exemplo Belo Horizonte e a região metropolitana - onde há várias cidades com mais de 20 mil eleitores que não possuem emissoras próprias -, o programa da capital mineira seria transmitido pelo veículo de maior audiência - no caso, a Rede Globo.


A segunda cidade com maior número de eleitores é Contagem, que não possui emissora própria.

 

Portanto, o programa dessa cidade seria transmitido pelo SBT (TV Alterosa) da capital, segunda emissora em audiência.

 

A terceira cidade em número de eleitores na região metropolitana é Betim, mas como a cidade tem uma emissora própria, ela ficaria fora do acordo.

 

O programa de Betim seria transmitido pela TV Betim.

 

Seguindo a ordem, a próxima cidade é Ribeirão das Neves que, por não ter emissora como Contagem, teria o programa de seus candidatos transmitidos pela TV Record. A distribuição continuaria até que se esgotem os números de emissoras ou de cidades aptas.

 

O ex-prefeito e pré-candidato em Betim, Carlaile Pedrosa (PSDB), faz uma crítica à proposta. "Em Betim tem uma TV comunitária, mas ela atinge cerca de 5% da audiência local. Seria muito melhor se pudéssemos divulgar o programa em outros canais de TV, maiores e mais assistidos. Como deve acontecer com a cidade de Contagem".


"Sabemos que a TV aumenta muito o custo. Um bom programa consome quase que 50% do custo total de uma campanha. Seria um custo a mais e alto, para o qual ainda não estamos preparados", diz Durval Ângelo, pré-candidato do PT em Contagem.


O candidato do PCdoB em Contagem, Carlin Moura, defende a proposta. "A região metropolitana tem cidades importantes sem propaganda. Isso cria uma identidade entre eleitor e candidato".

 

Especialistas temem desigualdade na disputa
 

Os especialistas em marketing político chamam a atenção para os risco de uma desigualdade na disputa eleitoral em cidades menores se a proposta em análise no Tribunal Superior Eleitoral for aprovada.


Segundo eles, em cidades pequenas, geralmente, os candidatos possuem poucos recursos, mas se, eventualmente, houver algum que tenha mais condições de investir nos programas de televisão, ele sairá em vantagem.


"A TV encarece a campanha. Apesar de serem chamadas de propaganda gratuita, ela é caríssima", afirma o pré-candidato a prefeito de Contagem pelo PSDB, Ademir Lucas.


O deputado estadual do PT e pré-candidato em Contagem, Durval Angelo, explica que só concordaria com esse novo sistema se em toda rede de propaganda viesse uma espécie de índice, mostrando a lista de emissoras e os seus respectivos programas.