Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

19/08/2013 - 15:11 - Fonte: G-1

Diamantina guarda registros do início da construção da BR-367

O anúncio da construção da BR, que alavancaria o desenvolvimento da região, foi feito na praça que recebe hoje o nome do ex-presidente jk.

Foto: arquivo Diamantina guarda registros do início da construção da BR-367
livros, documentos Em Diamantina, jornais da década de 1950 relatam como foi a construção da BR-367, quando JK ocupava o cargo de governador.

Abrir estradas sempre fez parte das metas de Juscelino Kubitschek enquanto político. O menino, que cresceu em Diamantina(MG) e se tornou um grande homem público, nunca se esqueceu de sua cidade natal em seus planos de desenvolvimento.



Construir uma rodovia que ligasse Diamantina à divisa com a Bahia não era um desejo apenas do empreendedor e visionário JK, os mineiros também sonhavam com uma estrada, que em breve seria o caminho mais próximo para o mar.

Jornal (Foto: Marina Pereira/G1)Jornal O Nordeste noticia andamento das obras
(Foto: Marina Pereira/G1)

Na cidade que respira história, livros, documentos e jornais da década de 1950  relatam como foi a construção da BR-367, quando JK ocupava o cargo de governador.



As lembranças do progresso que Juscelino buscava para a região ficam evidentes no livro “Palestras”, que reúne os discursos feitos por ele dirigidos ao povo mineiro e transmitidos pela Rádio Inconfidência, de Belo Horizonte.

 

Em várias páginas, o político faz referência à abertura da estrada. “Pela nova rodovia desbravadora, no bojo dos caminhões e viaturas, que transportarão o fruto do trabalho de nossa gente, vão também o livro, remédio, bem-estar e a cultura”, disse Juscelino Kubtisckek  em 1950.

Geraldo Riberio 1 (Foto: Marina Pereira/G1)Geraldo Ribeiro acompanhou a trajetória política de
Juscelino Kubistchek em Diamantina (MG)
(Foto: Marina Pereira/G1)

O anúncio da construção da BR, que alavancaria o desenvolvimento da região, foi feito na praça que recebe hoje o nome do ex-presidente.



O morador Geraldo Ribeiro lembra bem dessa época. “A praça estava cheia de gente quando Juscelino garantiu que faria as obras, para a felicidade do povo, já que toda a região sonhava em ver essa estrada concluída”, relata.



Na rua hoje conhecida como Travessa Salto da Divisa, as primeiras máquinas chegaram. “Os trabalhos foram intensos, eram vários homens, maquinários e dinamites, utilizadas para explodir as pedras”, relembra Ribeiro.



Atualmente, a BR-367 termina no litoral baiano. Santa Cruz Cabrália é a última cidade do estado cortada pela rodovia, que possui 762,5 km. Nos relatos históricos não é possível identificar se o trecho da Bahia foi construído durante o governo de Juscelino.

Sidrach Carvalho (Foto: Marina Pereira/G1)Sidrach Carvalho Neto guarda a carta escrita pelo
avô que foi prefeito de Santa Cruz Cabrália (BA)
(Foto: Marina Pereira/G1)

No arquivo histórico de Cabrália (BA) há uma carta escrita pelo então prefeito da cidade, Sidrach Carvalho, endereçada a Juscelino.

O documento de 1957 pedia que a rodovia fosse até a Bahia.



Em um dos trechos, o prefeito dizia: “a abertura dessa estrada trará maior progresso para toda a região do norte e oeste mineiro, além do sul e oeste baiano”. A resposta da carta não foi localizada.

 

JK FILHO DO VALE DO JEQUITINHONHA

 

"Hoje acordei com saudades daquele menino que ao nascer em Diamantina chamou Juscelino. Homem de pulso tão firme e de fala tão mansa. Um presidente candango de um povo esperança”, a letra e a música do compositor Moacir Franco ganham vida nas vozes do grupo Arte Miúda em Diamantina.

Assim, as antigas e novas gerações demonstram o carinho e a saudade do mineiro que superou limitações e tornou-se presidente do Brasil.



Rua São Francisco, nº 241. Este é o endereço é da casa onde Juscelino morou com a família na infância, em Diamantina. No local, a reportagem  encontrou, além de fotos antigas e objetos pessoais que pertenceram a JK, um grande amigo do ex-presidente Serafim Jardim, que é responsável pela conservação da casa.