Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

19/02/2012 - 15:35 - Fonte: Gazeta de Araçuaí

Família recebe medicamento vencido da Prefeitura de Virgem da Lapa

Mais um fato absurdo aumenta a coleção de desmantelos da atual gestão pública na área da saúde em Virgem da Lapa, no médio Jequitinhonha.

Foto: Arquivo Família recebe medicamento vencido da Prefeitura de Virgem da Lapa
Ao lado do filho, que tomou medicação vencida, lavrador diz que está sendo discriminado pela administração municipal.

Mais um fato absurdo aumenta a coleção de desmantelos da atual gestão pública na área da saúde em Virgem da Lapa, no médio Jequitinhonha. Desta vez, a responsável pelo Posto Médico do distrito de São João de Vacaria entregou a um casal de idosos, medicamento usado para tratamento de epilepsia com a data de validade vencida. O remédio Depakene é usado por um filho do casal e foi receitado pelo médico Rafael Zatta que atende na localidade. Durante oito dias o rapaz tomou a medicação. O erro foi descoberto por Jeremias Barbosa, irmão do rapaz. “Percebi que o cheiro do remédio estava diferente e que a medicação não estava surtindo efeito. Ele desmaiava e ficava mais de uma hora para voltar ao normal.

 

Quando percebemos o problema, providenciamos a compra de outro”, disse Jeremias. O caso aconteceu no início do mês de janeiro e por pouco não provocou um fato mais grave na pequena localidade a 40 km da sede do município. O pai do rapaz, o lavrador Adão Manoel Barbosa, 64 anos, ameaçou incendiar um veículo Uno que atende o Posto Médico, porque, segundo ele, o carro nunca estava disponível para levar seu filho até Salinas onde ele faz acompanhamento médico. “Já não aguento mais pagar frete de carros. Toda vez que preciso, arrumam uma desculpa. Em uma das crises do meu filho, fiquei descontrolado e ameacei por fogo no carro”, contou o lavrador.

 

Dona Maria Eunice Silva Barbosa, 64 anos, mãe do rapaz diz que está revoltada e indignada com o desrespeito e cobra explicações da prefeitura. “É um absurdo os responsáveis pela área de Saúde aqui não terem olhado as datas de vencimento da medicação. Colocaram a vida do meu filho em risco”. A mãe disse ainda que na receita o médico pediu Depakene 500 ml. “Além da medicação vencida, a responsável pelo posto me entregou caixas de 250 ml e não me avisou sobre isso.”, reclamou a mãe do rapaz. “Lá no posto tem uma placa na parede, informando que não pode desacatar funcionário. Agora eu pergunto: como podemos respeitar, se eles não respeitam o paciente?”, indaga o aposentado.

 

Além do descaso com a saúde do distrito, os moradores de São João de Vacaria reclamam da falta de manutenção da estrada. Logo após a ponte sobre o rio Jequitinhonha é quase impossível vencer uma pequena subida devido às crateras que se formaram no meio da estrada. “Quando chove ficamos isolados”, informaram os moradores. A reportagem tentou falar com o prefeito Averaldo Martins - o Dim (PT) e a secretária Municipal de Saúde, Adriana. Ambos não retornaram as ligações do jornal.

 

Procurado pela reportagem, o prefeito municipal Everardo Martins - o Dim - (PT) disse que todo município passa por isso. Ele disse ainda que toda a medicação vencida é descartada pela Secretaria Municipal de Saúde e que a medicação recebida pelo paciente estava dentro do prazo da validade. "O remédio era para um mês e faltavam cinco dias para vencer," revelou o lavrador Adão Manoel.