Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

20/05/2012 - 09:27 - Fonte: Gazeta de Araçuaí

Ex-prefeito de Nanuque é condenado a devolver R$ 1 milhão aos cofres públicos

A sentença foi proferida numa ação de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público Federal em Minas Gerais

Foto: divulgação Ex-prefeito de Nanuque é condenado a devolver R$ 1 milhão aos cofres públicos
Jorge Luiz Miranda está ainda com os direitos políticos suspensos

O ex-prefeito de Nanuque (MG) no Vale do  Mucuri,  Jorge Luiz Miranda,  foi condenado a devolver mais de R$ 1 milhão aos cofres públicos.

 

A sentença foi proferida numa ação de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público Federal em Minas Gerais (MPF/MG) em fevereiro do ano passado.

 

Ele teve os direitos políticos suspensos por sentença confirmada pelo Tribunal Regional Federal – Primeira Região (TRF1).

 

Essa suspensão considera que ele está inelegível pelos próximos 14 anos.

 

O prazo de inelegibilidade decorre da aplicação da Lei da Ficha Limpa, que prevê oito anos de impedimento aos réus condenados por improbidade em decisão de órgão colegiado.

 

Jorge Luiz Miranda foi prefeito de Nanuque, município situado no Vale do Mucuri, de janeiro de 2001 a abril de 2003, quando foi afastado do cargo por decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais

 

Irregularidades

 

Na ação de improbidade administrativa, o MPF acusava o ex-prefeito de irregularidades na aplicação de verbas públicas oriundas de convênio firmado com o Ministério da Integração Nacional (MIN).

 

O convênio, firmado em 2002, destinava R$ 600 mil para a reconstrução de pontes, pontilhões e muros de arrimo danificados pelas fortes chuvas que caíram em Nanuque naquele ano.

 

De acordo com o MPF, o dinheiro foi repassado integralmente à prefeitura, mas inspeção realizada pela Controladoria-Geral da União (CGU) verificou que as obras não serviram aos fins a que se destinavam e vários itens previstos no Plano de Trabalho não tinham sido executados.

 

Muitas obras estavam inacabadas ou deficientes e parte dos recursos públicos tinha sido utilizada na reforma ou construção de pontes e pontilhões em propriedades particulares, o que não configurava obra de interesse social, conforme determinava o convênio.

 

Além disso, Jorge Luiz utilizou parte dos recursos do convênio para pagar conta de luz da prefeitura, não cumpriu a contrapartida do município fixada em R$ 60 mil e também não prestou contas da execução das obras no prazo fixado pelo contrato.

 

Devolução

 

Conforme sentença proferida, o ex-prefeito terá de devolver o valor de R$ 600 mil relativos ao convênio acrescidos de multa fixada em 100% desse valor, o que resulta na quantia de R$ 1,2 milhão.

 

A condenação foi obtida pelo MPF na ação de improbidade administrativa nº. 2008.38.13.000757-9 ajuizada perante a Justiça Federal de Governador Valadares.

 

  A Lei Ficha Limpa tornou o ex-prefeito de Nanuque, inelegível pelos próximos quatorze anos.

 

Jorge Luiz Miranda na ação de improbidade, que transitou em julgado no dia 13 de abril deste ano, teve a suspensão dos direitos políticos decretados por seis anos, e ainda, ficou proibido de contratar com órgãos públicos e de receber incentivos fiscais ou creditícios pelo mesmo prazo.

 

O juiz também determinou a inclusão do ex-prefeito no Cadastro Nacional de Condenados por Ato de Improbidade Administrativa previsto pela Resolução CNJ nº 44, de 20/11/2007.