Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

29/05/2012 - 15:25 - Fonte: Diário de Teófilo Otoni

Em Nanuque, mulher é condenada por trair ex-marido e contar aos amigos

A juíza Patrícia Bitencourt Moreira, da 2ª Vara Cível, condenou a servente ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 5 mil.

Foto: divulgação Em Nanuque, mulher é condenada por trair ex-marido e contar aos amigos
O caso ocorreu em Nanuque, cidade da Vale do Mucuri

Uma servente industrial foi condenada a indenizar o ex-marido por danos morais.

 

A sentença se deve ao fato dela tê-lo traído publicamente durante o casamento.

 

Na época,  o homem alegou  ter sofrido com os comentários depreciativos dos amigos, e também sobre seu desempenho sexual.

 

A traição levou o casal a se separar, mas, de acordo com a ação, a mulher ainda passou a fazer comentários pejorativos sobre o ex-companheiro.

 

Ela dizia aos conhecidos que o companheiro  tinha dificuldades de ereção, “não dava conta na cama” e “deitava e dormia”.

 

As piadinhas aconteciam no ambiente de trabalho dos dois.

 

Decisão

 

A decisão é da 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), que aumentou o valor da indenização fixado em R$ 5 mil na primeira instância para R$ 8 mil.

 

A condenação saiu no dia 22 de maio, mas somente agora foi conhecida.

 

Processo

 

Na inicial do processo, o ex-companheiro alega que conviveu e conheceu a servente, na empresa onde ambos trabalham por aproximadamente dez anos.

 

Durante o relacionamento ele assumiu os dois filhos da companheira.

 

O homem conta que no final de 2007 a mulher passou a traí-lo com um instrutor de auto-escola, caso que chegou ao conhecimento do círculo de amizade do casal.

 

Segundo alega, ele foi o último a saber. Com o passar do tempo a servente teria passado a relatar suas “aventuras extraconjugais” aos colegas de trabalho e pessoas que não tinham intimidade com o casal.

 

A juíza Patrícia Bitencourt Moreira, da 2ª Vara Cível, condenou a servente ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 5 mil. Mas ao concluir o processo, a magistrado entendeu que o autor da ação foi lesado em sua honra pela conduta ilícita da servente, ou seja, comentários públicos que lhe causaram dor e constrangimento.

 

Ambas as partes recorreram ao Tribunal de Justiça.

 

O ex-companheiro pediu o aumento do valor da indenização, enquanto a servente alegou que não havia requisitos de dano moral.

 

O relator do recurso, o desembargador Gutemberg da Mota e Silva, reconheceu o dano moral e aumentou o valor da indenização para R$ 8 mil.