Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

16/07/2012 - 12:07 - Fonte: O Tempo

Rosane confirma magia negra na Casa da Dinda

Segundo Rosane, as sessões ficavam a cargo de uma assessora chamada Maria Cecília, que, anos depois, converteu-se a uma igreja evangélica e, hoje, é pastora.

Foto: divulgação Rosane confirma magia negra na Casa da Dinda
Entrevista de Rosane foi motivo de chacota,nas redes sociais

A ex-primeira-dama Rosane Collor prepara uma autobiografia sobre o período de convivência com o poder, ao lado do ex-marido Fernando Collor, e antecipou revelações em entrevista ao "Fantástico", da rede Globo, que foi ao ar ontem à noite.

 

A mais bombástica diz respeito a rituais de magia negra que eram realizados na Casa da Dinda, residência que o casal antecipou entre 1990 e 1992, em seu curto período na Presidência.



Segundo Rosane, as sessões ficavam a cargo de uma assessora chamada Maria Cecília, que, anos depois, converteu-se a uma igreja evangélica e, hoje, é pastora.

 

Essa mulher contaria, tempos depois, que os trabalhos desenvolvidos, com rituais em cemitérios e sacrifícios de animais, teve duas fases: a primeira, para Fernando Collor se tornar presidente da República, e a segunda, nos porões da Casa da Dinda, para ele se manter no cargo. Também eram feitos trabalhos contra os inimigos políticos.



A ex-mulher acredita que tenha surgido desse método o que chama de "maldição de Collor", que levou pessoas próximas a "mortes estranhas", como, em 1994, a do próprio Pedro Collor - autor das denúncias que resultaram no impeachment do irmão, no fim de 1992.



Rosane relatou que ainda se sente ameaçada e que o lançamento de seu livro irá desagradar o ex-marido. "Eu me considero um arquivo vivo. Se algo acontecer na minha vida, o responsável maior será Fernando Collor de Mello", disse.



O casal se divorciou em 2005 e, desde 2008, ela move duas ações contra Fernando Collor no valor de R$ 1,2 milhão. Ela contou que recebe, atualmente, pensão mensal de R$ 18 mil, que considera pouco. E admitiu que "não estava preparada para o poder".

 

Tesoureiro

 

PC. Rosane Collor contou ainda que o ex-marido mentiu, no auge da crise, quando disse que não se encontrava com PC Farias desde 1989. "O PC tomava café da manhã na Casa da Dinda pelo menos uma vez por semana, e o Fernando dizia que não".