Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

18/07/2012 - 15:10 - Fonte: Gazeta de Araçuai

Entidade protesta em Araçuai contra construção de mineroduto

Será construído um mineroduto com extensão de 490 quilômetros para levar o minério de ferro de Grão Mogol, até o Porto Sul, em Ilhéus (BA). De acordo com o governo, serão criados 8 mil empregos diretos, durante a construção da obra.

Foto: S.Vasconcelos Entidade protesta em Araçuai contra construção de mineroduto
O protesto foi feito durante realização do Seminário

“ Este mineroduto  é uma ameaça à natureza e aos pequenos agricultores. Ele vai passar pelas comunidades rurais de Padre Carvalho, Fruta do Leite e Grão Mogol, atingindo terras agricultáveis.  O Estado e a empresa que vai construir  a obra, precisam discutir isto com a sociedade”.

 

 

 O  protesto feito  durante encontro para discutir o programa Água para Todos, realizado em Araçuai nesta quarta-feira (18/7) partiu de Aline Aparecida Gomes Ruas, da Associação Mineira das Escolas Família Agricola (AMEFA).

 

 

Ela disse ainda que o MAB-Movimento dos Atingidos por Barragens e a CPT- Comissão Pastoral da Terra, estão na região para discutir a obra e solicitar uma audiência pública.

 

O Seminário " Água para Todos", foi realizado no Planalto Tênis Clube pela Secretaria de Estado Extraordinária para o Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas – Sedvan- e Ministério da Integração Nacional, contou com a presença de prefeitos da região, lideranças comunitárias e representantes dos Conselhos Municipais  de Desenvolvimento Rural Sustentável de vários municipios dos Vales do  Jequitinhonha e Mucuri

 

O Água para Todos, criado pelo governo federal a partir da necessidade de universalizar o acesso à água, integra o Plano Brasil Sem Miséria, sendo coordenado pelo Ministério da Integração Nacional.

 

Mineroduto vai retirar o minério de ferro do Norte de Minas

 

O projeto do mineroduto faz parte do investimento de cerca de R$ 3,6 bilhões, que inclui a produção de 25 milhões de toneladas de ferro a serem retiradas da jazida descoberta no Norte de Minas e municípios do Vale do Jequitinhonha na região do entorno de Salinas e Grão Mogol..

 

Será construído um mineroduto com extensão de 490 quilômetros para levar o minério de ferro de Grão Mogol,  até o Porto Sul, em Ilhéus (BA).

 

 

O mineroduto,  sistema de tubulação  por onde se transporta minérios a longas distâncias, será  construído  pela Sul Americana Metais (SAM), subsidiaria da Votarantim Novos Negócios (VNN), uma das empresas que investem na exploração mineradora na região.

 

 

Para viabilizar o uso da água no processo produtivo e no mineroduto, a empresa vai construir  duas  barragens no  Rio Vacaria (Região de Salinas), sendo uma no município de Padre Carvalho e outra em  Fruta do Leite. “ O  investimento é  de R$ 52  milhões”, conforme informações do Secretário de Estado para os Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Gil Pereira ao Jornal Gazeta de Araçuai.

 

 

Ele disse ainda que o empreendimento vai gerar 8 mil empregos diretos na sua fase de construção e 2 mil indiretos.

 

Movimento pela ferrovia

 

A maioria das lideranças e prefeitos da região,  são favoráveis à construção de uma ferrovia que causa menos impactos ambientais e ainda servirá  para alavancar o desenvolvimento regional  com o escoamento da produção até o porto marítimo da Bahia e também para entrada de mercadorias através do transporte ferroviário " que é bem mais barato que o terreste", alegam.

 

 

De acordo com Gil Pereira, após a construção das barragens no rio Vacaria, 60% das águas serão para o mineroduto e o restante ficará sob responsabilidade da Copanor para abastecer as comunidades em seu entorno.

 

 

“Serão separados 950 hectares   para  utilização das  famílias de pequenos agricultores. Cada família terá direito a 2 hectares para o plantio e os proprietários de terra por onde o mineroduto passará, serão indenizados”, garante Gil Pereira.

 

Licenciamento

 

O processo de construção do mineroduto ainda está  em  fase de elaboração de Estudos de Impactos Ambientais (EIA-RIMA) .

 

Ele depende de Licença Prévia (LP) Licença de Instalação (LI) e Licença de Funcionamento que são concedidas pelo Copam ( Conselho Estadual de Política Ambiental) órgão ligado à Feam ( Fundação Estadual do Meio Ambiente).

 

Sérgio Vasconcelos

Repórter