Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Política

19/04/2017 - 10:39 - Fonte: O Tempo

Deputado Fabinho Ramalho era o Barrigudo na lista da Odebrecht

Deputado Fabinho Ramalho, natural de Malacacheta, tem reduto eleitoral nos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Ele recebeu dinheiro de Caixa 2 da Odebrecht para sua campanha a deputado em 2010. É o atual vice-presidente da Câmara.

Foto: arquivo Deputado Fabinho Ramalho era o Barrigudo na lista da Odebrecht
Fabinho Ramalho foi eleito vice-presidente da Câmara

A lista apresentada pelo executivo Benedicto Junior, delator da Odebrecht, cita nominalmente 40 mineiros dentro de uma relação de 187 políticos. O relatório de BJ, como o delator é conhecido, revela repasses de caixa 2 que teriam sido feitos entre os anos de 2008 e 2014 a figuras de diversos partidos.

 

 

Entre os nomes com atuação no Estado, mais da metade ocupa hoje um cargo eletivo no Legislativo ou no Executivo. Entre os 24 que cumprem mandatos, o documento entregue à operação Lava Jato implica dois senadores, 12 deputados federais, cinco estaduais, dois prefeitos, um vereador, além do governador Fernando Pimentel (PT) e de seu vice, Antônio Andrade (PMDB).

 

 

O atual vice-presidente da Câmara, deputado Fabinho Ramalho (PMDB) conhecido também como Fabinho Liderança, era o Barrigudo na lista da Odebrecht.  Ele recebeu R$ 50 mil, em 2010, de caixa 2 para a campanha, segundo o delator, Benedicto Júnior. Ramalho consta na lista do ministro Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF),  que autorizou a Procuradoria-Geral da República a abrir inquérito contra ministros, deputados, senadores e governadores, envolvidos no escândalo do Caixa 2.

 

 

 

 

Anastasia, Alberto Pinto Coelho e Aécio Neves, estão entre os mineiros citados na lista da Odebrecht

 

 

Entre os mineiros, o senador Antonio Anastasia (PSDB) é o que teria recebido o maior repasse por meio de caixa 2. De acordo com a planilha, foram R$ 5,47 milhões em oito parcelas ao longo de 2010, quando Anastasia disputou e venceu a reeleição para governador de Minas. Na planilha, Antonio Anastasia é apelidado de “Dengo”.

 

 

O segundo maior favorecido seria o também senador tucano Aécio Neves, que ganhou o apelido de “Mineirinho”. Aécio teria recebido R$ 5,25 milhões em cinco transferências, em 2010. Os valores, segundo BJ, foram tratados diretamente com Aécio, sem interlocutores.

 

 

O então vice-governador de Anastasia, Alberto Pinto Coelho (PP), é apontado como destinatário de dez parcelas que, somadas, chegam a R$ 825 mil. Segundo o delator, os valores seriam para apoiar o PP e aliados da sua base. O dinheiro teria sido entregue a “Da Casa” entre 2010 e 2014. Em contrapartida, Pinto Coelho trabalharia no “desenvolvimento de projetos de infraestrutura de interesse da empresa”.

 

 

Ainda de acordo com as anotações de BJ, o ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB), que tinha o codinome de “Poste” na lista, é citado três vezes. Um dos repasses teria acontecido em 2012, ano em que Lacerda se reelegeu. Os outros dois em 2014, somando R$ 1 milhão. O trato teria ocorrido diretamente com Lacerda.

 

 

Pimentel aparece com duas doações no total de R$ 250 mil em 2010, ano em que foi nomeado ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio da ex-presidente Dilma Rousseff. O seu atual vice, Antônio Andrade, o “Wanda”, teria recebido R$ 275 mil em caixa 2 no mesmo ano, quando foi reeleito para a Câmara Federal.

 

Ex-deputado Nilmário Miranda, do PT e atual secretário no Governo Pimentel, também está na lista.

 

A menor cota entre os mineiros teria ficado com o ex-deputado e atual secretário de Direitos Humanos de Minas Nilmário Miranda: R$ 12 mil em 2010.

 

 (Repórteres Angélica Diniz e Fransciny Alves)


DETALHES

 

 

Quinhão. 

 

Ao todo, o executivo apresentou a relação de R$ 246,6 milhões que teriam sido doados em forma de caixa 2. As doações aos mineiros somam R$ 22,2 milhões.

 

 

Sem distinção.

 

 Os repasses a representantes de Minas foram divididos entre 14 partidos que atuaram na base e na oposição ao governo federal entre 2008 e 2014: PSDB, PP, PMDB, PSD, PT, PSB, PV, PCdoB, PR, PTN, PMB, PDT, PPS e DEM.