Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Política

28/09/2017 - 15:54 - Fonte: HD

Prefeitos acusam governo estadual de dar calote de R$ 1,8 bilhão nas prefeituras

A reclamação dos prefeitos pode ter reflexos na campanha de 2018.

Foto: Gazeta de Araçuai Prefeitos acusam governo estadual de dar calote de R$ 1,8 bilhão nas prefeituras
Para o transporte escolar a dívida seria de R$ 189 milhões

A Associação Mineira de Municípios (AMM) acusa o governo estadual de dever às prefeituras quase R$ 1,8 bilhão em repasses atrasados. O presidente da AMM, Julvan Lacerda, encaminhou ao governador Fernando Pimentel (PT) uma carta, intitulada “Carta Aberta dos Prefeitos Mineiros ao Governador do Estado”, pedindo providências. 

 

 

Conforme o documento, prefeitos de várias regiões acusam o não pagamento de parcelas destinadas ao transporte escolar, saúde e participação no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). 

 

 

Segundo Lacerda, apenas em repasses atrasados para a saúde seriam R$ 1,55 bilhão. “As obrigações do governo do Estado com os municípios na manutenção dos serviços de saúde púbica não estão sendo cumpridas”, anotou o presidente da AMM, que também é gestor de Moema. Conforme o documento, os valores referem-se a parcelas acumuladas e não pagas até março deste ano. “A ordem de grandeza da dívida permanece a mesma, pois os pagamentos que ocorreram após a data aqui mencionada não constam no relatório, além disso, venceram novas parcelas”, relata o presidente. 

 


Para o transporte escolar a dívida seria de R$ 189 milhões. Decreto estadual assinado em 2015 se comprometeu em realizar os repasses em nove parcelas, de fevereiro a novembro, para o custeio do transporte escolar. Segundo a AMM, já são quatro parcelas em aberto. 

 

 

No que diz respeito ao ICMS, os prefeitos alegam que, em várias ocasiões, o Estado não efetuou o depósito na data correta, tornando difícil o planejamento dos municípios. A carta cita como exemplo o último atraso, de R$ 50 milhões. 

 


Lacerda cita no texto reclamações colhidas ao longo de encontro regionais que a Associação promove, desde o início do ano, pelo interior. 

 

 

É justamente no interior que Pimentel espera êxito na corrida eleitoral do ano que vem. Tanto que intensificou agendas fora da capital mineira. O petista percorre municípios anunciando pequenas obras, como pontes. 

 

 

A reclamação dos prefeitos pode ter reflexos na campanha de 2018. O governo mineiro ainda não se posicionou sobre a carta.