Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

05/02/2017 - 10:58 - Fonte: Gazeta de Araçuai

DNIT divulga aviso para contratar obras de asfaltamento em trecho da BR-367

O trecho de 61 km fica entre Almenara e Salto da Divisa

Foto: divulgação/Gazeta de Araçuai DNIT divulga aviso para contratar obras de asfaltamento em trecho da BR-367
Revindicação da obra ocasionou inúmeros protestos da população no trecho

 

Foi  divulgado na última quinta-feira (01/02) pelo DNIT-Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, o aviso de licitação para contratar obras de implantação e pavimentação de  61 km da BR-367, entre Almenara e Salto da Divisa, no Vale do Jequitinhonha (MG)

 

 

 

 

A medida sai  misturada a muitas idas e vindas, promessas não cumpridas, entraves burocráticos, uso da obra para eleger políticos e protestos da população que sofre com o estado cada vez mais precário da estrada.

 

 

Em épocas de chuva, trecho fica práticamente intransitável.

 

 

As péssimas condições do trecho, que liga o Alto Jequitinhonha ao estado da Bahia, atrapalha a vida de quem precisa trafegar, além de causar sérios acidentes, inclusive com mortes.

 

Acidentes são constantes entre Almenara e Salto da Divisa.

 

No final do ano passado, um desvio na Ponte dos Cordeiros foi tomado pelas águas das chuvas impedindo que pacientes de Santa Maria e Salto da Divisa, que fazem hemodiálise em Itaobim, recebessem o tratamento. Semanas antes, um jovem dentista de Almenara  morreu no trecho devido as péssimas condições da estrada. Ele seguia com a namorada e a sogra para passar fim de semana em Porto Seguro (BA).

 

Licença e desculpas

 

 

Em julho do ano passado, o atual secretário de Planejamento de Minas Gerais, Helvécio Guimarães, entregou em Almenara, a licença ambiental concedida pelo governo mineiro para o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), que é o primeiro passo para a realização da obra.

 

 

“Agora, o governo federal terá que licitar e executar essa obra, que é fundamental para a região”, disse. Segundo o secretário, a obra na rodovia federal não foi realizada nos governos do ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff porque o governo mineiro, até então, não havia dado a licença ambiental.

 

 

A licença foi entregue no dia 27 de julho de 2017, durante a realização do Fórum Regional de Governo. O governador Pimentel não estava presente.

 

 

A obra depende agora dos repasses federais para começar a sair do papel.

 

Novela

 

Asfaltamento de trechos da BR-367 se transformou em discursos para eleger políticos. Obra entre Virgem da Lapa e Minas Novas ainda não saiu da promessa.

 

A obra de pavimentação da BR-367, que atravessa o Vale do Jequitinhonha, já se transformou em uma novela que parece não ter fim.

 

Os 122 quilômetros da rodovia federal em estrada de terra foram incluídos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em 2010, durante o governo do então presidente Lula. 

 

 Desde então, moradores e lideranças da região lutam para conseguir a liberação de verbas para a obra. O trecho fica praticamente inutilizado em período de chuvas e é um dos grandes entraves para o desenvolvimento da região mais pobre de Minas Gerais.

 

 

Desde 2013, governo federal contratou Exército, por R$ 23 milhões, para fazer manutenção do trecho Virgem da Lapa/Minas Novas, mas situação precária permanece.

Em 2013, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) anunciou os editais para a pavimentação dos trechos entre Virgem da Lapa  e Salto da Divisa, no entanto, a previsão inicial de começar a obra em 2014 não se concretizou


Os trechos da BR 367 que ainda estão sem pavimentão ligam Almenara-Jacinto -Salto da Divisa) e Virgem da Lapa-Berilo-Chapada do Norte- Minas Novas).

 

Em 2002, o DNIT liberou R$ 59,6 milhões para o asfaltamento desses. Uma parte, o governador Itamar Franco usou para pagar o 13º do funcionalismo estadual. A outra parte da verba foi gasta pelo DER_MG, que prestou contas sem realizar a obra. 

 

 

Sérgio Vasconcelos

Repórter