Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Polícia

30/08/2018 - 15:32 - Fonte: G-1

Ex-prefeito de Taiobeiras é condenado e preso por estupro de vulnerável

Ele foi condenado há mais de 16 anos de prisão.

Foto: arquivo Ex-prefeito de Taiobeiras é condenado e preso por estupro de vulnerável
O ex-prefeito foi preso na casa dele em um condomínio de luxo, no Bairro São Geraldo II em Montes Claros

O ex-prefeito de Taiobeiras Joel da Cruz Santos; 78 anos, foi preso na manhã desta quinta-feira (30) em Montes Claros, no Norte de Minas. Ele foi condenado no dia 21 deste mês há mais de 16 anos de prisão por estupro de vulnerável, segundo a Polícia Civil.

 

 

O mandado de prisão foi cumprido na casa dele em um condomínio de luxo, no Bairro São Geraldo II. De acordo com o advogado do ex-prefeito, Jackson Ferraz, a defesa não foi intimada sobre a decisão que condenou Joel da Cruz.

Joel Santos foi condenado pela Justiça de Minas Gerais, em 2010, por ter pago adolescentes para fazer sexo.

 

A prisão preventiva foi decretada em 2016;  depois que o Conselho Tutelar e o Centro de Referência em Assistência Social de Minas Gerais coletaram depoimento de uma criança de dez anos que acusou a própria mãe - Rosangela de Oliveira, de aliciá-la a se prostituir.

 

 

O ex-prefeito foi acusado de abusar da criança de dez anos e da irmã dessa criança, de cinco anos, ambas filhas de Rosangela. As vítimas teriam sido levadas para a casa do político, onde teriam sido obrigadas a manter relações sexuais em troca de pagamento.

 

Outra mulher também foi acusada de fazer parte do esquema e de aliciar duas garotas de 10 e 12 anos à prostituição. Uma das vítimas revelou na época que o político seria um de seus clientes nos programas sexuais.

 

  •  

 

O advogado do  ex-prefeito  disse que já cumpria pena por condenação em outro processo. "Devido aos problemas de saúde que acometem o ex-prefeito, ele cumpria pena em regime de prisão domiciliar. Então, a defesa entende que a prisão desta quinta é ilegal", explicou.