Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

20/11/2018 - 10:35 - Fonte: BBC

O que mudou na vida dos negros 21 anos após música dos Racionais MC's

Lançada em 1997, 'Capítulo 4, Versículo 3' chamou atenção para números sobre a violência e a exclusão sofrida pela população negra de São Paulo e do Brasil. A BBC News Brasil analisou pesquisas e dados públicos para avaliar a situação dos indicadores citados na música duas décadas depois.

Foto: BBC O que mudou na vida dos negros 21 anos após música  dos Racionais MC's
A letra de 'Capítulo 4 Versículo 3' apresentava dados sobre violência e educação da população negra

Há 21 anos, o grupo paulistano Racionais MC's lançava um álbum que seria considerado ícone e maior referência da história do rap nacional. Sobrevivendo no Inferno rapidamente se tornou um marco da música brasileira, alçando Mano Brown, Edi Rock, KL Jay e Ice Blue ao título de maiores expoentes do estilo no país.

 

 

Com letras contundentes sobre o cotidiano da periferia e em presídios de São Paulo, o disco vendeu mais de um milhão de cópias, ganhou prêmios e um clipe marcante da música Diário de Um Detento, que narra a história do massacre do Carandiru por meio das memórias de um presidiário.

 

 

Neste mês, a editora Companhia da Letras lançou um livro para celebrar o disco histórico, com letras, fotos e críticas. O álbum dos Racionais também estará ao lado de livros de Camões e Guimarães Rosa na lista de obras obrigatórias para o vestibular 2020 da Universidade de Campinas (Unicamp).

 

 

Uma das músicas mais famosas do álbum, Capítulo 4, Versículo 3 começa de uma maneira diferente, denunciando uma série de dados negativos sobre violência e exclusão contra a população negra.

 

Em participação especial, o também rapper Primo Preto recita: "60% dos jovens de periferia sem antecedentes criminais já sofreram violência policial / A cada quatro pessoas mortas pela polícia, três são negras / Nas universidades brasileiras, apenas 2% dos alunos são negros / A cada quatro horas um jovem negro morre violentamente em São Paulo".

 

 

As fontes dos dados não são citadas na letra.

 

 

Mais de duas décadas depois da música ser lançada, a BBC News Brasil verificou pesquisas, estudos e dados públicos para saber se aquele cenário descrito pelos Racionais continua o mesmo.

 

A reportagem conseguiu atualizar três dos quatro índices citados na música. A exceção foi o trecho sobre os jovens da periferia que já sofreram violência policial.

 

 

A cada quatro mortos pela polícia, três são negros

 

 

Em Capítulo 4, Versículo 3, os Racionais dizem que, nos anos 1990, a população negra era a maior vítima da letalidade policial. Segundo a letra, três em cada quatro mortos pelas forças de segurança eram negros.

 

O índice permanece o mesmo 21 anos depois do lançamento da música.

Recentemente, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública analisou 4.254 registros de boletins de ocorrência de mortes decorrentes de intervenções policiais entre 2015 e 2016, o que representa 78% do universo dos casos no período.