Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Polícia

22/11/2018 - 17:21 - Fonte: G-1

Mulher que planejou morte de sargento da PM é julgada em Grão Mogol

Crime ocorreu em agosto de 2016

Foto: arquivo Mulher que planejou morte de sargento da PM é julgada em Grão Mogol
Julgamento ocorre no Fórum da Comarca

 

 

O julgamento dos acusados de tentar matar um sargento da Polícia Militar em Grão Mogol está sendo realizado nesta quinta-feira (22). O crime foi em agosto de 2016.

 

Alexsandro Soares dos Santos, de 45 anos, foi atingido a facadas e um tiro em uma estrada rural quando tentava abrir uma porteira. Ele seguia com a ex-esposa, Loyde Ruth Ribeiro de Freitas, de 49 anos, até a propriedade, para conversarem sobre a venda de cabeças de gado.

 

 

A ex-companheira do militar foi presa no dia do crime, suspeita de planejar o assassinato do policial. Loyde Ruth agiu, segundo a polícia, junto com o namorado, Markson Alves Ribeiro, de 24 anos.

 

O julgamento começou por volta das 9h40 no fórum da cidade. O corpo de jurados foi formado por sete pessoas.

 

Desde a época do crime, Loyde Ruth está presa no Presídio Alvorada em Montes Claros. Markson Alves foi preso no mesmo dia do crime e encaminhado ao presídio da cidade, mas foi transferido para o Presídio Regional de Montes Claros em março deste ano.

 

 

Relembre o caso

 

 

Alexsandro Soares dos Santos, na época com 43 anos, foi ferido enquanto abria a porteira de uma fazenda em Grão Mogol. Ele foi surpreendido por um homem e foi agredido com facadas no braço, cabeça e rosto, além de ter levado um tiro perto do ombro. Ele foi socorrido pela Polícia Rodoviária Federal e levado até um hospital de Francisco Sá.

 

A acusada disse na época que não havia presenciado o crime, embora também estivesse no carro. Após levantamentos, os policiais chegaram até o namorado dela, de 22 anos, que tinha alguns ferimentos e confessou ter cometido a tentativa de homicídio. Ao ser questionada novamente, a mulher disse que não iria dar nenhuma informação sobre o caso.