Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Política

21/09/2019 - 11:29 - Fonte: em

Gasto de deputados federais mineiros em 2019 pagaria 616 anos de salário mínimo

As passagens aéreas estão no topo da lista de gastos dos deputados mineiros

Foto: arquivo Gasto de deputados  federais mineiros em 2019 pagaria 616 anos de salário mínimo
A bancada federal mineira é composta por 53 deputados

 

Os 53 deputados federais mineiros gastaram, juntos, R$ 7.377.358,54 de verba pública de fevereiro a agosto. Os dados constam do Portal da transparência da Câmara dos Deputados e foram publicados em reportagem do jornal Estado de Minas nesta segunda-feira. 

 

O valor utilizado para o pagamento de aluguel de veículos, correio, gráficas, publicidade e passagens aéreas, dentre outros custos, daria para pagar 7.392 salários mínimos. Em um cenário hipotético, daria para remunerar um trabalhador com um salário mínimo por 616 anos – mais de seis séculos. 

 

No caso de Minas Gerais, o custo médio por parlamentar é de R$ 36.092,71 por mês. O valor não inclui o salário pago a cada deputado federal, que hoje é de R$ 33.763 mensais. 

 

Voos lideram gastos

 

As passagens aéreas estão no topo da lista de gastos dos deputados mineiros. Foram nada menos que R$ 1,8 milhão – 22% do total da cota parlamentar – utilizados com a compra de bilhetes.

 

No período, a passagem mais cara paga pela casa legislativa foi de uma viagem para a China, feita pelo parlamentar Misael Varella (PSD). A ida e a volta na primeira classe da Emirates Airlines custaram cerca de R$ 44 mil. 

 

Na ocasião, Varella viajou para participar do 12º Congresso da Confederação Internacional das Misericórdias, em Macau. O evento teve como tema “O papel das políticas sociais e de saúde na proteção à infância, juventude e envelhecimento”.

 

Para o cientista político Malco Camargos, a disponibilidade dos recursos para os parlamentares não é o problema, mas o uso dado à verba pode ser questionado.

 

“É importante separar o que é um evento que pode melhorar a qualidade da representação parlamentar dos que caracterizam turismo eleitoral. A auditoria das casas tem que controlar bem esse tipo de despesa, analisar caso a caso quais as consequências disso”, avalia Camargos. 

 

O especialista ressalta, ainda, que, sendo usadas corretamente, as verbas são necessárias para que os deputados desempenhem melhor o papel de representação da sociedade. 

 

“Para exercer bem seu mandato, estando próximo de sua base e tendo uma boa assessoria técnica, é fundamental que os parlamentares tenham recursos”, conclui.