Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

23/10/2019 - 10:47 - Fonte: Gazeta de Araçuai

Após ficar destruída por temporal, escola em Itinga tem aulas suspensas

Em 2013, a mesma escola, construida em 1980 ficou destruída por conta das chuvas. Pelo menos 400 alunos ficarão sem aulas.

Foto: divulgação Após ficar destruída por temporal, escola em Itinga tem aulas suspensas
Boa parte da estrutura da escola foi danificada.

O temporal que caiu na cidade de Itinga, no Vale do Jequitinhonha (MG) na  noite da última terça-feira (22)  destruiu parcialmente a escola estadual Manoel da Silva Gusmão, no bairro Porto Alegre. Parte do telhado da entrada desabou e os alunos não puderam voltar à escola nesta quarta-feira (23).

 

 

Cobertura interna da escola também foi atingida.

 

A Escola  ficou  praticamente destruída por conta do alagamento que atingiu a área onde fica o refeitório e também salas  de aula e da administração, danificando móveis.

 

 

Em nota, a diretora Marina Célia, informou que as aulas estão suspensas por prazo indeterminado.

 

Outra vez de novo

 

Não é a primeira vez que a escola sofre com problemas em sua estrutura por conta das chuvas.  A escola foi construida em 1980.

 

Em janeiro de 2013 uma forte chuva provocou sérios danos em toda a estrutura da escola que possui em torno de 400 alunos  matriculados de 1º ao 9º ano.

 

 

 

A enxurrada invadiu todas as salas do prédio, destruindo livros da biblioteca,  documentos da secretaria e equipamentos do laboratório de informática. “ Contamos 30 computadores danificados. É um prejuízo enorme”, lamentou uma funcionária da escola.

 

 

Na ocasião, muitos livros de matrículas e de prestação de contas que estavam em caixas plásticas,  nas prateleiras baixas dos armários, ficaram molhados. Uma parte da cobertura da quadra de esportes também ficou destruída.

 

 

A situação que não era boa, ficou ainda pior. Por todos os lados, o que se via era só destruição. Por conta do salitre, o reboco de várias paredes caíram e  o piso de cerâmica das salas de aula,  se soltaram .

 

 A ação do tempo também destruiu o acabamento dos bancos do pátio que esavam  com os tijolos corcomidos e à mostra.

 

TEmpos depois a escola passou por reforma mas acabou sendo atingida mais uma vez, pelas chuvas deste ano que mal começaram.

 

 

Sérgio Vasconcelos

Repórter