Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cultura

21/10/2019 - 07:13 - Fonte: Gazeta de Araçuai

Coral Salum, de Lelivéldia, se apresentará em São Paulo

As apresentações acontecem em um tradicional shoping da região do Brás e na sede da empresa Brascol, que apoia a iniciativa.

Foto: divulgação Coral Salum, de Lelivéldia, se apresentará em São Paulo
Coral formado por crianças e adolescentes foi criado há 8 meses.

 

Criado  há 8 meses, com o objetivo de estimular o desenvolvimento musical das crianças e adolescentes  de Lelivéldia, distrito de Berilo, no Vale do Jequitinhonha (MG), o Coral Salum, se apresenta no próximo dia 3 de dezembro em um shopping  do tradicional bairro do Brás, em São Paulo.

 

 No repertório, conduzido pelo maestro  Roberto Júnior, estão músicas natalinas e da MPB.  A iniciativa é da ONG Salum, ligada à uma instituição religiosa cristã, com sede em São Paulo e que atua em  Lelivéldia desde 2012. “As igrejas teem isenção fiscal e em contrapartida, devem desenvolver um trabalho  de ação e assistência social, e é isto que estamos fazendo”, asseguram  o maestro Júnior e sua esposa Jaciara de Oliveira,  ambos de 34 anos. Eles  saíram da cidade paulista de Poá, a 1.200 km de Lelivéldia, com duas filhas de 5 e 7 anos e uma adolescente de 17  que eles consideram filha do coração. A garota é professora de violão de  uma das turmas do coral.

 

Lelivéldia, distrito de Berilo.

 

A viagem do Coral à São Paulo conta com a parceria da empresa Brascol,   líder em atacado de roupas de bebê ao infanto-juvenil, há mais de 30 anos no mercado. As apresentações acontecem dia 3 de dezembro, na praça de alimentação do shopping Megapolo e também na Brascol, no bairro do Brás.

 

Maestro Júnior ensaia o coral em frente à sede da ONG Salum, em Lelivéldia.

 

SECA MOTIVOU MUDANÇA DO CASAL

 

O casal, que assistia moradores de rua na região da cracolândia paulista,  diz que a seca e o sofrimento das comunidades carentes do Vale do Jequitinhonha, foi um dos motivos para deixar a terra natal, a 45 km de São Paulo e se dedicar às populações rurais que vivem no entorno do distrito de Lelivéldia. “É uma provação diária”,  revela o maestro Júnior que começou a estudar música aos 5 anos na EMESP-Escola de Música do Estado de São Paulo até chegar ao coral juvenil da Orquestra Sinfônica de São Paulo (OSESP).

 

Instalados em um imóvel de dois andares, alugado pela ONG, o maestro Júnior e a esposa  asseguram  que usam a música para transformar a realidade das crianças através da cultura, e oferecer a elas mais autoestima . As aulas são ministradas no salão do andar de baixo, onde também acontecem os cultos religiosos. “ Por mais que sejamos uma ONG cristã, sabemos diferenciar e respeitar a religião de cada um. Nosso foco é a transformação social”, enfatiza o casal.

 

Sérgio Vasconcelos

Repórter