Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Cidades

14/01/2020 - 19:11 - Fonte: G-1

Idosa em Salinas tem 2 anos a mais que mulher considerada a mais velha do mundo

Maria Pereira dos Santos nasceu em 20 de dezembro de 1900 e vive com a família na zona rural de Salinas; ela tem sete filhos, sete netos, cinco bisnetos e dois tataranetos.

Foto: arquivo pessoal Idosa em Salinas tem 2 anos a mais que mulher considerada a mais velha do mundo
Dona Maria e os filhos no dia em que completou 119 anos.

Uma casinha simples no meio da natureza, no Vale do Jequitinhonha (MG). É lá que vive uma das idosas mais velhas do mundo. Maria Pereira dos Santos tem 119 anos e nasceu às 9h do dia 20 de dezembro de 1900, na comunidade de Canela Dema, zona rural de Salinas, onde mora até os dias de hoje.

 

 

Casa onde vive dona Maria Pereira, na zona rural de Salinas

 

De acordo com o registro na Certidão de Nascimento, a idosa é dois anos mais velha do que a japonesa Kane Tanaka, considerada a pessoa mais velha do mundo pelo Guinness World Records, o livro dos recordes. A família de dona Maria nunca reivindicou o posto.

 

“Seria um prazer ela ser reconhecida como a mais velha. Nós iríamos ficar muito alegres”, diz a neta Eliete Fernandes dos Santos Souza.

 

 

Dona Maria Pereira exibe a certidão de nascimento.

 

o Cartório de Registro Civil de Salinas,  confirmou a data de nascimento da idosa e a autenticidade do documento.

 

 

Maria Pereira dos Santos posa para foto com a neta, Eliete Fernandes dos Santos Souza, na varanda da casa na Zona Rural de Salinas, interior de MG

 

 

Mãe de sete filhos, dona Maria sempre trabalhou duro na roça e, até os 116 anos, uma das coisas que ela mais gostava era de descascar milho, além de ir para a cozinha fazer sabão.

 

 

Tacho que dona Maria usava para fazer sabão em fogão feito de barro

Há 3 anos, a rotina mudou após um AVC, que fez com que a centenária perdesse os movimentos. Mas, a fornalha redonda de adobe e o tacho que ela usava para fazer o sabão continuam no mesmo espaço na cozinha.

 

“Não usamos mais essa cozinha, mas mantemos do mesmo jeito porque é uma lembrança da minha avó, do que ela gostava de fazer. Hoje, ela vive na cadeira de rodas e passa a maior parte do dia deitada”, conta a neta Eliete, que troca as fraldas, dá banho e coloca a comida na boca de dona Maria.

 

E por falar em comida, óleo não é usado na casa da família. O almoço e o jantar são preparados com gordura de porco do jeitinho que ela sempre gostou.

 

Minha vó gosta de comida forte, na hora do café ela quer requeijão. No almoço, feijão mexido com farinha, carne e verdura”.

 

Dona Maria também sempre teve o prazer de receber visitas em casa e oferecer um agrado.

 

Ela gostava de dar as coisas, era um ovo, uma goma e, até hoje, quando chega visita, ela fica feliz e se a cabeça estiver boa, a primeira coisa que ela lembra é do cafezinho pra servir”, descreve a neta.

 

Por conta da idade avançada, ela alterna momentos de lucidez e tem dificuldade para se comunicar, segundo a família.

 

Dos sete filhos, cinco moram na mesma comunidade, um morreu ainda criança, outro foi embora para Santos (SP) e a família não tem notícias dele há mais de 45 anos. A centenária tem sete netos, cinco bisnetos e dois tataranetos.

 

“.

Carlito , um dos filhos da idosa, conta que os pais se casaram na igreja em 1929 e se separaram 29 anos depois. Na época, ele tinha 10 anos, o caçula, 5, e os outros irmãos já eram crescidos.

 

Meu pai foi embora para o interior de São Paulo e nunca mais ouvimos falar dele. Desde cedo eu trabalhava na roça com minha mãe e ajudava nas despesas de casa. Ela gostava muito de trabalhar. Quando eu completei 14 anos, assumi a roça e pedi que ela ficasse só cuidando dos afazeres domésticos”.

 

Aniversário de 119 anos

 

Bolo de aniversário, farofa de feijão verde, farofa de carne, salpicão e, é claro que não poderia faltar o prato mais tradicional da região: arroz com pequi. Foi com esse cardápio simples que a família comemorou os 119 anos de Maria Pereira dos Santos no dia 20 de dezembro. A festa reuniu filhos, netos e tataranetos na casa da centenária na comunidade rural.

 

O segredo para viver tanto, segundo os familiares, vem dá bondade de coração.

 

Como quebrar um recorde

 

Para quebrar um recorde, é preciso se inscrever no site do Guinness e preencher um formulário. A família de dona Maria ainda não fez esse procedimento.

 

Depois da inscrição, uma equipe especializada em Gestão de Recordes verifica as informações e, se confirmadas, é enviado um certificado oficial do Guinness com o status de recordista.