Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Economia

02/09/2012 - 17:57 - Fonte: Hoje em Dia

Estudo divide Minas Gerais em duas: a rica e a pobre

O levantamento é do economista Paulo Haddad, ex-ministro da Fazenda e professor da UFMG.

Foto: Frederico Haikal Estudo divide Minas Gerais em duas: a rica e a pobre
Com escassas opções de lazer, meninos brincam de futebol em campo empoeirado, uma realidade comum no interior de Minas

Com o 35º menor Produto Interno Bruto (PIB) per capita de Minas, Raposos está entre os 180 municípios do Estado que, desde 1960, sofrem com a devastação dos seus recursos naturais.

 

O levantamento é do economista Paulo Haddad, ex-ministro da Fazenda e professor da UFMG.


 
Traçando uma linha imaginária, de Norte a Sul, o especialista divide o mapa de Minas em dois.

 

Do lado direito, concentra-se a maioria dos municípios com histórico de desequilíbrio ambiental: cursos d’água assoreados e poluídos e áreas verdes desmatadas. O cenário é bem diferente do lado esquerdo, que tem matas preservadas e serviços de saneamento básico estruturados.


 
"Isso se chama Minas assimétrica e se caracteriza pelo desequilíbrio intra-estadual de desenvolvimento. O fator comum dos municípios à direita do mapa é o uso predatório da base de recursos naturais", ressalta Haddad.


 
Problema que, segundo o ex-ministro, reflete no PIB per capita, indicador de qualidade de vida. Ele usa os valores de 2009, quando a soma das riquezas produzidas em Minas foi de R$ 14.328,62 por habitante.


 
A metade


 
Nos municípios "predadores", o PIB per capita é equivalente a até 50% do valor registrado no Estado. "Feito o georreferenciamento, fica uma mancha vermelha no Norte de Minas, vales do Jequitinhonha, Mucuri e do Rio Doce", diz.



Do lado esquerdo do mapa, a realidade é muito diferente, no Triângulo, Noroeste e Sul de Minas e em uma parcela da Zona da Mata.