Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Economia

25/05/2020 - 19:54 - Fonte: Gazeta de Araçuaí

Anuncio de fábrica de bateria de lítio em Juiz de Fora, gera indignação no Vale do Jequitinhonha

Anúncio feito pelo governador Romeu Zema, no sábado (23) pelas redes sociais. A notícia gerou indignação entre as lideranças do Vale do Jequitinhonha, maior produtor do minério. "Vão levar a máteria prima e os empregos", disse o deputado Dr. Jean.

Foto: divulgação Anuncio de fábrica de bateria de lítio em Juiz de Fora, gera indignação no Vale do Jequitinhonha
Lítio será extraído das minas da CBL-Companhia Brasileira de Lítio- com sede em Araçuai

 

 

 

Por meio das redes sociais, o governador Romeu Zema (Novo) anunciou que Juiz de Fora, na zona da Mata,  será sede da  primeira fábrica de células de bateria de lítio-enxofre do mundo. O produto é inovador se comparado às baterias de íon-lítio, sendo usado para a manutenção de veículos elétricos.

 

Conforme o governador, por meio da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge), a empresa britânica Oxis Energy vai instalar a fábrica no parque industrial da Mercedes Benz, com quem foi assinado um contrato de locação. O minério para a fabricação das baterias sairá da CBL- Companhia Brasileira de Lítio com sede em Araçuai, no Vale do Jequitinhonha. 


 

Romeu Zema destacou ainda que "os trabalhos de adequação do galpão que sediará a fábrica começam de imediato, com investimentos da ordem de US$ 56 mi (cerca de R$ 245 milhões)".



A previsão, segundo o governador, é que a operação se inicie em 2023, com uma produção inicial de 300 mil células de bateria/ano, podendo chegar a 5 milhões/ano.

 


Romeu Zema enfatizou que, com o funcionamento da fábrica, "serão gerados, inicialmente, 100 empregos diretos, de alta qualificação". 



O governador revelou ainda que, além do segmento de mobilidade, "a fábrica atenderá as indústrias de defesa e aeroespacial – de tripulados e não tripulados, drones, transporte público, entre várias outras"

 

Minério sairá do Vale do Jequitinhonha, da Companhia Brasileira de Lítio (CBL) com sede em Araçuai e parte em Itinga, de onde é extraído o minério.

 

 

Em abril de 2018, A CBL-Companhia Brasileira de Lítio transferiu um terço de suas ações para a CODEPAR-Codemig Participações SA, subsidiária da CODEMIG-Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais

 

Na época, segundo o governo, o  objetivo da  operação era  possibilitar que a CBL com a  associação com o governo, pudesse desenvolver novos negócios na cadeia produtiva de materiais estratégicos no Vale do Jequitinhonha, assegurando aos municípios de Araçuaí e Divisa Alegre um aumento de sua contribuição à economia e desenvolvimento dos mesmos.

 

A CBL oferece cerca de 300 empregos diretos e 1.200 indiretos.

 

 

Anúncio gerou indignação

 

 

O deputado  estadual dr. Jean(PT) natural da região,  usou as redes sociais para protestar contra a atitude do governador Zema. Em um vídeo divulgado nas redes sociais ele fez um apelo para que todos as forças políticas, independente de partidos, formem uma  bancada  de união  em favor do Vale do Jequitinhonha e contra a exploração da região. “Que não usem o Vale apenas para buscar votos. Hoje somos cada vez mais explorados. Servimos apenas para produzir a matéria prima e riqueza. Os empregos ficam lá fora”, destacou o deputado.

 

Ele criticou o fato do governo não ter dialogado com os movimentos sociais, com os prefeitos, com os deputados e com  o povo da região.

 

Em video divulgado pelas redes sociais, deputado dr. Jean criticou atitude do governador Zema

 

Vale do Jequitinhonha concentra grande reserva de lítio

 

Em 2017, foram descobertas novas reservas de lítio no Vale do Jequitinhonha, entre os municípios de Itinga e Araçuai.,. Em junho de 2019 , a mineradora Sigma anunciou investimentos de R$ 500 milhões em uma unidade que será construída no município de Itinga para a exploração do mineral, com capacidade para a produção de  240 mil toneladas de concentrado de lítio ao ano. Este volume já colocaria a companhia como a maior produtora do insumo usado para a fabricação de baterias de carros elétricos, celulares e tablets no Brasil, entre as cinco maiores do mundo.

 

 

Área de exploração de lítio da Mineradora Sigma, no município de Itinga

 

 O presidente da Sigma, Itamar Resende, explicou que os recursos investidos  até o momento foram direcionados em sondagens, pesquisas e na operação de uma pequena planta na área do ativo, que vai gerar amostras para o mercado. Ele disse  que em princípio, o lítio produzido pela companhia será praticamente todo exportado.

 

Sérgio Vasconcelos c/ Estado de Minas

Repórter