Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Economia

09/10/2020 - 11:39 - Fonte: Folha Press

Alta no preço dos alimentos aumenta na pandemia

Óleo de soja, leite longa vida e carnes são principais produtos com variação de preço, além de combustíveis, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE

Foto: ilustrativa Alta no preço dos alimentos aumenta na pandemia
Aumentos abusivos em produtos alimentícios estão provocando revolta e indignação nos consumidores.

 

Óleo de soja, leite longa vida, feijão  e carnes são principais produtos com variação de preço, além de combustíveis, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (9) pelo IBGE.

 

 

Arroz, leite longa vida e óleo de soja já acumulam aumento de preço de cerca de 20% este ano, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE, embora a inflação registre crescimento de 0,70% de janeiro a agosto.

 

alta no preço dos alimentos pesa diretamente no bolso do consumidor e já entrou na pauta do governo.

 

 

O presidente Jair Bolsonaro já apelou duas vezes para que os supermercados controlem preços de itens da cesta básica. Ele afirmou, contudo, que  não vai intervir. Em paralelo, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, garantiu que não haverá desabastecimento.

 

 

Em agosto, além de alimentos, a gasolina foi o item que mais influenciou no resultado da inflação, que foi de 0,24%. O indicador que acumula alta de 0,70% no ano e, em 12 meses, de 2,44%. Em julho, o IPCA foi de 0,36%.

 

 

O aumento vem como resultado da maior demanda por alimentos em domicílio e também pelo reforço de renda das camadas mais pobres através do auxílio emergencial. Pesa ainda a força das exportações, explicam especialistas.

 

 

— O item de maior peso (4,67% do total) no IPCA é a gasolina (3,22%), que fez com que os Transportes (alta de 0,82%) apresentassem o maior impacto positivo no índice de agosto. E a segunda maior contribuição veio do grupo Alimentação e bebidas (0,78%) — explica Pedro Kislanov, gerente da pesquisa, ressaltando que os alimentos têm peso de 20,05% no IPCA e 22,82% no INPC.