Seu Internet Explorer está desatualizado

Para uma melhor visualização do site, utilize a mais nova versão ou escolha outro navegador.

Notícias » Economia

18.03.2012 - 22:21 - Fonte: Sérgio Vasconcelos

Audiência pública vai debater exploração de grafita em Almenara

A SUPRAM-Superintendência de Regularização Ambiental realiza nesta segunda-feira (19/03) audiência pública para analisar o pedido de licenciamento prévio feito pela Magnesita para explorar grafita no município de Almenara(MG).

Foto: divulgação Audiência pública vai debater exploração de grafita em Almenara
A audiência será realizada no SESC de Almenara (MG)

A SUPRAM-Superintendência de Regularização Ambiental realiza  nesta segunda-feira (19/03) audiência pública para analisar o pedido de licenciamento prévio feito pela Magnesita para explorar grafita no município de Almenara(MG). A audiência será realizada no Sesc  daquela cidade, no baixo Jequitinhonha.

De acordo com a analista ambiental da Supram, a geógrafa Cristiane Alves Costa, a audiência é um dos procedimentos exigidos pelo órgão ambiental para que a empresa possa adquirir as três licenças: a prévia, a de instalação e de operação. “ É na audiência pública que a comunidade é ouvida e  informada do empreendimento, dos seus impactos ambientais, econômicos, culturais e sociais”, disse a geógrafa.

“Somente depois de vistorias e informações de todos os estudos e relatórios de impactos ambientais (EIA-RIMA) é que vamos emitir um parecer”, informou Cristiane Alves. Segundo ela, cinco técnicos vão analisar a documentação, entre eles, engenheiros ambientais, biólogos e  geógrafos. O parecer da Supram é encaminhado ao COPAM- Conselho de Política Ambiental de Minas Gerais, que é um órgão consultivo e deliberativo, subordinado à Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. “ Se o Copam negar o pedido de Licença Prévia, por entender que ele necessita de informações complementares a empresa pode entrar com novo pedido. A licença vale de 4 a 6 anos e antes do vencimento, a interessada deve entrar com o pedido da Licença de Instalação, que permite a empresa instalar os equipamentos para extração do minério”, disse a geógrafa.

De acordo com o vereador Roberto Amaral (PMDB) a exploração de grafita em Almenara vai gerar cerca de 550 empregos.

 

EMPRESA QUER INVESTIR 80 MILHÕES EM ALMENARA

 

A Magnesita, com sede em Contagem, foi criada em 1939, após a descoberta de depósitos de magnesita em Brumado, no estado da Bahia. Suas atividades industriais começaram em 1944, em Contagem (MG) com a produção de refratários aluminosos e silico-aluminosos e, a partir de 1948, produzindo também magnesianos e cromo-magnesianos. Possui atividades em vários paises da América do Sul, Estados Unidos, Europa e Ásia.

Para não depender da importação para suas fábricas, a empresa pretende investir R$ 80 milhões no projeto de extração e beneficiamento da grafita em Almenara. A reserva, na região de São Domingos e Água Bela, zona rural do município,  é suficiente para mais de 50 anos de exploração, gerando 40 mil toneladas por ano.

Não há tijolo ou outro tipo de refratário para aço que não leva grafita. Mas a empresa vislumbra além disso. Nesse mineral, enxerga também a potencialidade de aplicações mais nobres, de alto valor agregado, como baterias de carros elétricos e itens da indústria eletroeletrônica e de alta tecnologia, como celulares, ipads e telas de computadores.

 

Sérgio Vasconcelos

repórter